TERMINOLOGIAS

A construção de uma sociedade inclusiva se dá também pelo cuidado com a linguagem utilizada. Entendemos que através da linguagem é possível expressar, voluntária ou involuntariamente, o respeito ou a discriminação em relação às pessoas com deficiência. Por estes motivos e com a finalidade de promover informação, elaboramos uma relação de terminologias que devem e que não devem ser utilizadas quando se faz referência a uma pessoa com deficiência.

TERMINOLOGIAS INADEQUADASTERMINOLOGIAS ADEQUADAS
Pessoa normalPessoa sem deficiência
Pessoa especialPessoa com deficiência (e pode complementar com o nome da deficiência)
Anomalia, aberração, retardadoTenha bom senso e respeito, não utilize nunca!
O risco de ter uma criança com síndrome de DownA probabilidade ou chance de ter uma criança com síndrome de Down
Escola normalEscola comum, escola de ensino regular
Ele(a) sofre de (nome da deficiência)Ele(a) tem (nome da deficiência)
Mongolóide, mongol, excepcionalPessoa com síndrome de Down
DoençaDeficiência ou condição
Portador de deficiênciaPessoa com deficiência
Aleijado, defeituoso, incapacitado, inválidoPessoa com deficiência física
Pessoas com síndrome de Down são anjos, carinhosos, ingênuos…Pessoas com síndrome de Down possuem características de personalidade individuais, como qualquer outra pessoa, não devem ser estigmatizados.

Vamos conversar sobre a expressão “Retardado”?

Significado: Que se retardou, diz-se de ou pessoa que tem um desenvolvimento mental inferior ao que é considerado normal. Sinônimo Geral: ATRASADO

Fonte: https://dicionario.priberam.org/retardado

Popularmente, essa palavra é utilizada com a intenção de ofender alguém, de forma pejorativa quer dizer que a pessoa é estúpida. A palavra “retardado” é ligada a uma concepção médica antiga, ultrapassada e incompatível com os atuais conhecimentos científicos sobre a pessoa com deficiência intelectual, por esse motivo já não se recomenda mais utilizá-la nem para falar de pessoas com deficiência intelectual. Quando alguém julga ou reforça estereótipos baseado em uma alteração genética ou em um diagnóstico, sob o pretexto de ofender alguém, chamando-o de “retardado”, ainda que sem intenção pode ofender uma pessoa com deficiência, especialmente uma pessoa com síndrome de Down. Portanto, não a utilize mais, sob nenhuma condição!